fbpx

Blog Openk

Provedora de soluções de vendas e gestão

  1. Home
  2. • blog

23/04/2021
Comentários

Soldada vestindo uniforme e usando óculos de realidade virtual. Há ícones de tecnologia na tela à frente dela.

Os primeiros passos do e-commerce foram dados lá nos anos 1990, com a Amazon e o eBay, que até hoje são as protagonistas no setor. De lá para cá, quanta coisa mudou… E com todo seu potencial tecnológico, o e-commerce brasileiro não ia ficar para trás.

Mas ninguém esperava o boom no crescimento das vendas online, que chegou a 73,88% só em 2020. E quem diria, então, que hoje estaríamos perto da realidade aumentada no e-commerce brasileiro?

Nós já tivemos um momento “sonhador demais” algumas semanas atrás, no nosso texto sobre o voice commerce, e muita gente disse que estávamos um pouco avançados demais nas nossas expectativas.

Mas não é assim. O crescimento acelerado do e-commerce está trazendo mudanças cada vez mais rápidas, e embora a realidade aumentada no e-commerce possa parecer futurista, ela está logo ali, na esquina da inovação.

Mas primeiro:

O que é a realidade aumentada e como ela funciona?

A realidade aumentada (AR, sigla do inglês augmented reality) mistura o mundo real com o virtual e oferece a oportunidade de o consumidor interagir com o objeto por meio de aplicativos, normalmente via smartphone. Para funcionar, a AR precisa de 3 elementos básicos:

  • Um objeto real como referência para criar o objeto virtual;
  • Um dispositivo com câmera para criar a imagem aumentada;
  • Um software para captar o sinal dessa câmera.

Mas não confunda realidade aumentada com realidade virtual (VR), porque não são sinônimos. A aumentada mescla o mundo real e o virtual enquanto a realidade virtual é aquela em que o consumidor fica apenas no online.

Nos jogos, tanto a AR quanto a VR são muito comuns. Um exemplo de game que explorou bem a AR foi o Pokémon Go, lançado em 2016. Só que logo os e-commerces brasileiros e do mundo todo voltaram seus olhos para essa técnica e começaram a pensar em como usá-la nos negócios.

Só que antes de mergulhar de cabeça na tecnologia, vale o debate de a quantas anda nosso cenário atual.

Desafios do e-commerce brasileiro atualmente

Antes de partir para os prós e contras sobre a realidade aumentada, precisamos fazer um panorama de como anda o e-commerce brasileiro, principalmente quando citamos que o crescimento no último ano foi tão grande.

E não teria como fugir do que já apresentamos aqui como sendo os 3 desafios principais ao montar sua loja virtual:

  • Falha na logística;
  • Aumento nas fraudes no e-commerce brasileiro;
  • Problemas com integrações em marketplaces.

E, claro, não tem como citar os desafios atuais sem comentar sobre o alto custo de frete, também conhecido como o pesadelo de todo gestor.

Você aí, lendo este texto, já desistiu de uma compra por conta desse valor de entrega, que às vezes até é mais alto que o preço do próprio produto? E esse problema não é de hoje.

Para quem analisa de fora, parecem problemas bem básicos, porém recorrentes no e-commerce brasileiro. Se, ainda hoje, essas e outras falhas acontecem, o certo não seria trabalhar na resolução desses entraves primeiro para depois pensar em crescer e acrescentar mais na estratégia?

O simples, mas bem feito, nunca erra. Então se você tem um e-commerce é válido fazer um levantamento de todos seus problemas individuais, desde o funcionamento do seu site até a satisfação do cliente com a entrega, passando pelo sistema de integração logística.

Querer crescer a todo custo, só para acompanhar a tendência pode te custar os clientes que você já tem.

Resolvendo isso, é hora de olhar para novas oportunidades. E é aí que entra a realidade aumentada no e-commerce brasileiro.
Ilustração mostrando uma mão segurando o smartphone e apontando para sala. Há um sofá na tela simulando a realidade aumentada.

Realidade aumentada: possível ou impossível?

Depois de um panorama mais realista, chegou a hora de falar sobre o que faz os olhos do pessoal da OpenK brilhar: novidades no e-commerce!

Sim, a gente pode ter soado pessimista até aqui, mas é só uma preocupação que temos com nossos clientes e que queríamos trazer para cá também. O cuidado e a análise de como seu negócio vem antes de tomar qualquer decisão.

Então vamos direto ao ponto: o e-commerce brasileiro vai embarcar no modelo de vendas por realidade aumentada? Tudo aponta que sim, mas essa mudança deve acontecer primeiro com as operações maiores, justamente por conta do custo de experimentação inicial.

Benefícios para o e-commerce brasileiro

Um dos maiores diferenciais que mais achamos interessantes na AR é como ela pode influenciar na decisão de compra. Imagine só poder não apenas ver o produto com uma tecnologia que te dê a sensação de que ele está ali, na sua frente, mas que você também possa experimentá-lo…

Isso mesmo que você leu. Eles recriam a imagem de forma que você simular que está usando o produto. E isso já foi até feito lá em 2014, em uma campanha da Lacoste. A marca francesa disponibilizou o app LCST Lacoste para o cliente poder experimentar os vários modelos de tênis disponíveis em uma linha esportiva.

O céu é o limite para quem quer investir na realidade aumentada. Inclusive, outras marcas e setores já trabalham nisso:

  • Universo dos jogos digitais: não é tão novo assim para nós, mas que ainda pode ser mais explorado;
  • Setor de móveis e decoração: que permitem ver se aquela decoração ou objeto fica legal aí na sua casa;
  • Setor feminino: com opção de ver se um corte de cabelo ou maquiagem cai bem na cliente;
  • Vestuário: que pode ir desde roupas e sapatos a acessórios;
  • Construtoras: empresas brasileiras já apontam interesse nessa área e usam o celular para simular edifícios e casas em um terreno vazio.

A infinidade de setores que podem usar a realidade aumentada é infinita. E, para aplicá-la, é basicamente o mesmo processo que você usa para montar sua estratégia de vendas: conhecer o seu público. É ele quem dita o que você precisa melhorar, em qual caminho seguir e quais as formas de interagir que funcionam melhor.

Homem sentado usando óculos de realidade aumentada. Ele está com as mãos em frente ao rosto, pegando algo virtualmente.

E meu e-commerce, deve investir em realidade aumentada?

Neste texto, pontuamos alguns fatores interessantes a se pensar antes de desperdiçar esforços e recursos para desenvolver aplicativos. Usamos a palavra “desperdiçar” justamente porque você precisa estar em constante análise da sua operação, não porque não acreditamos que a realidade aumentada seja jogar dinheiro fora.

Aliás, nós ficamos empolgados descobrindo e vendo o e-commerce brasileiro caminhar tão longe e com uma evolução tão boa quanto nos últimos anos.

Mas, para saber se vai dar certo aí no seu negócio, vamos fazer uma checklist? São algumas perguntas que você deve se fazer antes de começar a pensar nesse investimento.

Vamos pensar um pouco…

Qual o tamanho do meu negócio? Como para qualquer outra decisão, você precisa analisar se o seu negócio comporta tal investimento. Mas se for comprometer a saúde financeira dele, talvez não seja a hora ideal de começar a investir nessa tecnologia.

Minha operação está bem amarrada? Você precisa focar naqueles pontos que comentamos ali no começo do texto: conhecer o segredo da logística do e-commerce brasileiro, investir em um sistema antifraude para o seu site, fazer a integração do seu marketplace e, ainda, pensar na política de fretes.

Pense no seu público alvo. Do que eles gostam? São entusiastas da tecnologia e sempre buscam formas de facilitar a vida por meio de aplicativos? Se sim, vá fundo. Mas essa fórmula talvez não convença um público mais velho e que não use tantos apps assim. Só você conhece seu público e pode responder o que dá certo para eles ou não.

Tenho financeiro e/ou pessoal para desenvolver esse app? É um investimento que não sai barato, mas acho que você esperava isso. Vale pesquisar bastante quem usa a realidade aumentada e quais as empresas que fornecem esse serviço. Coloque tudo na ponta do lápis, já com a previsão de lucro que você vai ter para saber se compensa.

Implantar a AR pode até custar um pouco caro, mas o custo-benefício realmente vale a pena quando você pensa no quanto isso pode agregar para o seu negócio.
Se a conta fechar, comece a pensar em como a realidade aumentada pode agregar ao seu negócio. Sabemos que, pelo menos no começo, você vai fazer um “barulho” por aí, especialmente entre os concorrentes. Queremos muito voltar aqui no blog daqui uns anos e citar o e-commerce brasileiro como referência nesse setor.

Mas, enquanto isso, vamos seguir perseguindo as tendências e contando tudo sobre elas para vocês. Um ótimo exemplo é o live commerce, já ouviu falar? Então clica aqui e saiba como essa novidade funciona.


Comentários

Deixa seu Comentário