fbpx

Blog Openk

Provedora de soluções de vendas e gestão

  1. Home
  2. • blog

21/07/2021
Comentários

A meta de todos que trabalham com vendas, seja online ou não, é encontrar fornecedores com produtos de qualidade e que permitam uma boa margem de lucro. Nesta tarefa, a ideia de importar da China produtos parece bem animadora, não? Trazer produtos que não são encontrados facilmente no país sem precisar ter o produto em estoque e com um lucro que pode chegar a 600%? Quem não quer?

Mas essa ideia de importar da China não é novidade. Os produtos chineses têm invadido o mercado brasileiro há décadas, agora mais consolidados que nunca.

O relatório Conversion mostrou que, entre todos os sites analisados em 2020 (nacionais ou não), o da Shein foi que teve o segundo maior crescimento no Brasil (521,62%) – em primeiro ficou a Shopee (1.465%) que não é chinês, mas também é asiático.

O problema é que esses números se referem apenas às vendas para consumidores finais. E já de início te contamos que comprar da China para revender não é a mesma coisa de importar para uso próprio.

Para falar a verdade, a importação de produtos chineses para vendas em e-commerce ainda é pouco explorada pelas empresas brasileiras. Muitos de nós nem sabe direito como funciona. Mas este não será o seu caso…

No texto de hoje vamos entender mais sobre o comércio China-Brasil e como realmente funciona, além de avaliar o funcionamento dessas transações diante da pandemia. Vamos lá?

Importar da China: como funciona?

É muito comum nos depararmos com anúncios constantes de sites como Wish e AliExpress nos oferecendo produtos chineses dos mais variados tipos. De fato, as grandes importadoras fazem sucesso, mas os preços acabam não valendo a pena para os comerciantes.

Vamos supor que você quer abrir uma loja de acessórios para celular (fones sem fio, carregadores portáteis…) e decide que importar da China é o melhor negócio e quer comprar direto dessas plataformas. Isso é ótimo, mas veja bem, por mais que você coloque uma margem mínima em cima dos produtos, ainda assim o seu cliente vai preferir comprar direto no AliExpress do que ter mais um intermediário ganhando nesta transação.

Além de ser bem pouco estratégico, essa prática é ilegal. Isso porque os produtos importados da China por pessoas físicas não podem ser adquiridos para fins comerciais. Logo, se eles verem que você está comprando 20 fones sem fio do mesmo modelo, com certeza a Receita Federal vai pensar que há algo errado e poderá reter a sua compra.

A prática mais inteligente ao se importar da China é não utilizar esses canais que já são direcionados para o cliente final e ir direto na fonte, importando de fornecedores B2B. Mas como?

O jeito profissional de importar da China é com o dropshipping

Você conhece o dropshipping no e-commerce? Se não, está mais que na hora! Na verdade, este método de vendas se popularizou aqui no Brasil justamente com quem começou importar da China, pela sua facilidade de gerenciamento, economia de custos e tempo de entrega.

#DicaOpenK: Por mais que o dropshipping seja muito apresentado como uma “inovação na logística para e-commerce”, ele não é tão novo assim. Há relatos do conceito desde os anos 50. Para entender melhor como ele funciona, sugerimos que conheça “as origens do dropshipping: quem inventou o estoque zero?

O ponto alto desse funcionamento é que você pode importar da China sem ter um produto sequer! Isso é possível graças a um acordo entre você e os vendedores do país asiático. Funciona assim:

  • Você fecha o acordo com o fornecedor. Ele te vende os fones por R$ 20,00 (mas os produtos continuam com eles);
  • Você então começa a anunciar esse mesmo produto no seu e-commerce por R$ 50,00;
  • Quando uma venda é fechada, a sua loja emite a NF-e no valor dos R $50 e, automaticamente, passa o pedido para ao fornecedor, que lá da China cuida de enviar ao seu cliente por você;
  • No final do ciclo acordado entre vocês (na maioria das vezes é mês a mês), este parceiro te envia a relação de todos os produtos vendidos no período e também o valor do frete. Você repassa a parte dele e o restante é o seu lucro.

Como encontrar fornecedores da China que trabalham com dropshipping?

Foto aproximada de um leque oriental com desenhos florais e escrita “made in China”.

Viu como fica bem mais fácil para você importar da China utilizando o dropshipping? Com ele você vai ter um “desconto para lojista” de verdade – o que é ótimo. Mas como já deve ter percebido, essa relação entre o seu parceiro e a sua loja precisa ter bastante confiança.

Como já foi dito, fornecedores que atendem ao público final não são uma opção. Mas há outros meios de achar quem vende no atacado para o seu CNPJ e ainda faz o dropshipping:

DealeXtreme

Um ponto positivo para o DealeXtreme é que eles já oferecem uma proposta de dropshipping para o Brasil, com rastreio de envio e frete totalmente grátis. Você pode encontrar informações sobre como adquirir esse serviço na página de ajuda do site.

Outra vantagem do DX é que ele não é um marketplace, ou seja, todos os produtos que você encontrar no site são da própria empresa. Isso ajuda bastante ha hora de resolver qualquer problema, afinal você vai lidar com o atendimento da própria DX e não com um vendedor.

Alibaba

Podemos considerar o Alibaba como o “irmão mais velho” do AliExpress, só que mais focado no comércio B2B (empresas para empresas). E, assim como no caso do caçula, ele trabalha com diversos vendedores dentro da plataforma, o que acaba perdendo no quesito confiança, além de não oferecer um suporte eficiente e nem garantias de qualidade do produto.

Mas, se ainda assim, você quiser importar da china com a empresa e utilizar o dropshipping, é bom seguir essas sugestões:

  • Selecione fornecedores: Existem muitos vendedores que se “inspiram” em outros produtos de sucesso para criar réplicas de pior qualidade, então nunca escolha o mais barato. Outra dica é enviar uma mensagem antes da compra para testar a disponibilidade dele em ajudar;
  • Lembre-se de olhar os comentários: Essa é uma regra básica para qualquer compra em marketplaces, mas vale sempre reforçar;
  • Cuidado com as réplicas: Algumas marcas como Xiaomi e Lenovo estão no marketplace, mas, de modo geral, não há muitas marcas famosas lá. Então é bom ter atenção para não ter problemas com marcas registradas;
  • Procure fornecedores com ePacket: Essa é a opção premium de envio do Alibaba e AliExpress. Com ela você pode importar da China com prazo de 20 dias e principalmente, rastrear o produto.

Encontrar fornecedores diretos da China

A terceira opção é encontrar fornecedores diretos da China para importar seus produtos. Nesse modelo é necessário checar bem as referências e, se possível, atestar a qualidade antes, encomendando cada um e só depois colocá-los à venda em seu site.

Lojas pequenas podem encontrar alguma dificuldade para fechar negócio nessa opção, já que a maioria dos fornecedores preferem vendas em larga escala e muitos não aceitam o dropshipping. O melhor a se fazer é importar da China pelas outras duas opções.

Quais as taxas cobradas para importar da China? Vale a pena pagar?

Foto de galpão cheio de caixas com um homem virado de costas. Em seu casaco está escrito “receita federal”.

Um dos maiores medos de quem quer importar da China são as taxas alfandegárias. Será que vale a pena pagar? O lucro não será “engolido” pelas taxas?

Sobre isso, já falamos aqui que comprar como pessoa física para revender não é indicado e pode te dar bastante dor de cabeça. Por isso, neste texto não vamos abordar nenhum dos “jeitinhos” de se fazer isso com compras abaixo de U$ 100,00 para não ser taxado, ok?

Agora, do jeito certo, com a importação for feita pela pessoa jurídica, você deverá pagar algumas taxas alfandegárias que, muitas vezes, podem ser revistas.

Os valores cobrados para produtos importados são:

  • Imposto por Importação (IPI) – os valores podem variar em até 60% do valor do produto;
  • Imposto sobre circulação de mercadorias e serviços (ICMS) – de 17 à 20% do valor do produto;
  • Tarifa de desembaraço – taxa cobrada pela alfândega para autorizar a entrada da mercadoria no território nacional.

#DicaOpenK: O ICMS é aquele imposto pago por transporte de produtos feito entre estados. Para você entender melhor, é como se você tivesse um centro de distribuição no Porto de Paranaguá (no Paraná) com destino ao estado do seu cliente.

Se quer ser profissional, vai precisar entender o processo de envio

Foto de navio cargueiro azul claro com faixa vermelha no mar. Ele está cheio de containers de diversas cores.

Bom, ainda há outro detalhe que você precisa saber: para importar da China com CNPJ você precisa de autorização do governo. Processo este que pode ser mais simples ou mais complexo. Vai depender só do seu produto.

O jeito mais fácil: Importa Fácil dos Correios

Se o produto que você está prestes a importar da China é mais “simples”, você pode contratar o Importa Fácil, serviço dos Correios que agiliza o processo e oferece taxas mais razoáveis para compras de até US$ 3.000,00.

Para isso, a sua compra precisa atender alguns requisitos:

  • Não ser um dos produtos proibidos de transporte nos Correios:
    – Cigarros e derivados de tabaco;
    – Produtos regulados por algum órgão (ANVISA, INMETRO, IBAMA…);
    – Explosivos e bebidas alcóolicas;
    – Brinquedos (para fins não comerciais eles são permitidos);
    – Medicamentos sem apresentação de receita médica;
    – Grandes marcas sem laudo de autenticidade.
  • Não atender às regras de dimensões: peso máximo de 30 kg e dimensão de 150cm.

Por ser mais barato, importar da China acaba sendo bem mais vantajoso do que comprar o produto por aqui ou comprar em outros países. Alguns fornecedores fazem acordos de envio para que as mercadorias possam ter reduções nas taxas alfandegárias, possibilitando que os vendedores brasileiros ofereçam seus produtos mais baratos. A negociação pode ser feita diretamente com cada um deles.

O jeito mais complicado: pelo Siscomex

Caso a sua compra seja superior a US$ 3.000 ou não atenda a qualquer outro requisito citado acima, a importação só poderá ser feita pelo Siscomex. Ele é o sistema criado pelo governo para gerenciar todas as operações de importação e exportação de produtos.

Mas calma que ele não veio para complicar a sua vida, muito pelo contrário. Com ele, todas as autorizações e taxas necessárias para importar da China, além de informações sobre a confiabilidade do seu fornecedor estão unificadas, o que vai te poupar um bom trabalho.

Basicamente, o Siscomex funciona assim:

  1. Você seleciona os seus fornecedores dentro do Alibaba, por exemplo;
  2. Faz a consulta para identificar se que a importação com ele é permitida;
  3. Quando fechar uma venda, acompanha se o seu produto está pronto para ser embarcado pelo seu exportador;
  4. Acessa o sistema para ver quais documentos serão necessários para o transporte e já trata de enviá-los;
  5. Aguarda a resposta deles, que pode ser:
  • Canal Verde: Tudo ok com documentação e os produtos;
  • Canal Amarelo: Há alguma pendência na documentação (inconformidade, omissão ou a falta de algum deles…) Caso aconteça, é só providenciar a conformidade;
  • Canal Vermelho: Pendências com a documentação e também com os produtos (número de produtos e descrição diferentes…) Neste caso, além do envio de documentos, eles vão fazer uma revista para conferir a sua compra;
  • Canal cinza: É o mais complicado porque acontece quando já está comprovado algum problema (aqui estamos falando de fraudes mesmo). Além da carga ser confiscada, você e o fornecedor podem responder judicialmente;

6. Caso não tenha nenhum problema, é só esperar o pedido chegar aqui no país e pagar os impostos.

Outras complicações podem aparecer quando for importar da China

Mulher em escritório em frente ao seu notebook segurando papéis com uma mão e usando uma calculadora com a outra.

O nosso papel aqui não é te desmotivar, mas sim te apresentar um retrato bem fiel de como é o cenário desse tipo de importação. Por isso, diferente de outros blogs que mostram apenas o lado maravilhoso de importar da China, precisamos te mostrar os dois lados. Só assim vamos dormir com a consciência de que amanhã ou depois você não nos questione se “porquê vocês não avisaram isso”. Entende?

Então vale ressaltar aqui mais dois pontos bem relevantes dessa escolha:

  • Prazo: A essa altura você já sabe que, ao importar da China, seus produtos vêm de navio, o que pode levar 30 dias ou mais para chegar aqui – se ocorrer tudo certo com o processo de nacionalização do produto. Com um prazo desses pode ficar bem complicado, então você precisa pensar bem sobre o assunto;
  • Qualidade: Já fizemos essa observação quando falamos sobre escolher fornecedores no Alibaba, mas precisamos reforçar porque – sem querer generalizar – qualidade não é o ponto forte de vários fornecedores por lá. Como no dropshipping você não tem contato direto com o que está vendendo, a imagem da sua marca pode estar em risco, dependendo da sua escolha.
  • Apresentação: Se você já comprou qualquer item da China em qualquer desses sites, sabe que eles vêm em uma embalagem bem característica – plástico preto com etiqueta escrito em mandarim. Caso seu cliente não tenha consciência da origem do produto, isso pode trazer uma grande frustração com a sua marca.

#DicaOpenK: Para resolver este último problema, você pode optar pelo crossdocking que é outro método de venda sem estoque onde, quando o cliente fecha o pedido, o produto é enviado para o seu estoque. Assim é possível trocar por uma embalagem personalizada para e-commerce e só depois enviar para o cliente, causando uma boa impressão.

Importar da China ainda é uma opção, mesmo com esses problemas?

Foto de uma balança de madeira com diferentes formas geométricas em cada uma das extremidades.

Muita gente teme a importação da China por conta da tributação que pode chegar a 80% do valor do produto. Mas pense bem: dependendo da mercadoria, essa taxação ainda te deixa em uma via muito vantajosa, pois não encarece o produto tanto assim.

Dependendo de onde a compra é realizada no Brasil, o preço da indústria consegue ser maior do que o de importar da China, mesmo com os impostos. Mas lembre-se: não vale a pena querer tentar “burlar” a alfândega com múltiplos pacotes em vários CPFs e CNPJs: o melhor é achar as melhores condições de preço e frete e arcar com essa despesa.

O que nós sugerimos é que você compre produtos que custem para você (com todas as taxas) até R$ 100,00, isso geralmente permite aplicar uma margem maior. O fone sem fio, por exemplo, se for comprado por R$ 20,00, vai para R$ 36 e você pode vender aqui por, no mínimo, R$ 60.

É uma opção, mas não para nós

Como já mencionamos, o nosso compromisso é com a verdade. Te apresentamos aqui os dois lados de se importar da China e cabe a você escolher se é uma opção ou não.

Deixamos para falar por último para não influenciar na sua decisão, mas aqui na OpenK nós oferecemos integrações para o seu e-commerce, tanto com o dropshipping quanto com o crossdocking. E elas são feitas através do RestocK, nossa solução para vender com estoque zero.

Mas justamente por prezar pela nossa imagem com os nossos clientes, conectamos as suas vendas sem estoque apenas com fornecedores brasileiros que conhecemos e confiamos para te indicar. Assim você ainda continua sem ter que se preocupar com o estoque e envio, mas sem a dor de cabeça que pode surgir ao importar da China.

Falando mais uma vez: essa escolha é uma decisão sua! Como você começou este texto pensando exclusivamente em importar da China, queremos te convidar a conhecer os benefícios do dropshipping nacional com o Restock OpenK na página exclusiva do serviço no nosso site.

Será um prazer te apresentar melhor.

Banner com três mulheres conversando em uma mesa. No meio há o texto “Qual solução online o seu negócio precisa hoje?”.


Comentários

Deixa seu Comentário