fbpx

Blog Openk

Provedora de soluções de vendas e gestão

  1. Home
  2. • blog

27/07/2021
Comentários

Um caminhão de brinquedo cheio de moedas. Há várias delas em uma pilha, como se estivessem sendo descarregadas.

Vender online não é uma tarefa tão simples: você cria uma estratégia para que conheçam a sua loja, cuida do design do site, escolhe as melhores fotos e faz uma descrição bem completa… Chega na hora de finalizar o pedido e o seu cliente simplesmente vai embora sem concluir a compra.

Se isso tem acontecido com você, é bem provável que o problema esteja no preço do seu frete para e-commerce.

Isso quem diz é uma análise global divulgada pela Moosend e a média é que 69% dos carrinhos online no mundo são abandonados. Destes, 60% justificam pelo alto preço do frete para e-commerce. Aqui no Brasil o cenário não é diferente, 63,9% dos consumidores garantem que o valor de frete alto é sinônimo de carrinho abandonado, segundo pesquisa do Reclame Aqui.

Já entendemos: um frete caro pode prejudicar muito as suas vendas. Mas como baratear o valor do envio sem sair no prejuízo ou diminuir a qualidade do que é entregue? Talvez essa seja a grande pergunta e é o que vamos te responder a partir de agora.

O que encarece o frete para e-commerce no Brasil?

Foto de uma rodovia de mão dupla com três faixas cada uma. Nela há vários caminhões e carros.

A gente não pode melhorar o que não conhece, concorda? Por isso, o primeiro passo é entender o que, de fato, faz o valor do frete para e-commerce no Brasil ser tão caro e quais os gargalos neste processo. Com essa análise vai ser mais fácil identificar o que pode ou não ser feito.

Vamos dividir este tópico em duas partes:

Fatores externos

O primeiro passo é identificar quais fatores estão além da sua responsabilidade, ou seja, fora do seu controle. Mas não é por isso que deva ficar com os braços cruzados. Tendo o conhecimento desses pontos, é possível encontrar meios de contornar a situação.

São eles:

  • Dimensões e estrutura rodoviária do Brasil: Sendo o quinto maior país do mundo, temos uma malha rodoviária com mais de 120 mil km – desses, só 64 mil são pavimentados. Com as longas distâncias a serem percorridas e um baixo investimento em infraestrutura e falta de segurança, o desgaste dos veículos e seguro de cargas acabam encarecendo o frete para e-commerce;
  • Produto vendido: Além da distância, o cálculo de frete para e-commerce leva em conta as dimensões do produto e peso. Se quando decidiu abrir o seu negócio optou por vender produtos grandes e pesados (móveis ou eletrodomésticos), o frete sempre será mais caro;
  • Impostos: Além do imposto sobre o próprio combustível e taxas de pedágio, cada produto existe uma tarifa para ser transportada, que pode ser o ICMS para transporte interestadual e ISS, quando o destino é o mesmo estado.

No geral esse tributo gira em torno de:

  • 7% para produtos básicos, como arroz e feijão;
  • 18% para os demais produtos de consumo;
  • 25% para produtos considerados supérfluos, como cigarros, cosméticos, jóias e perfumes.

#DicaOpenK: Além de ter uma carga tributária menor, itens de consumo básico estão em alta. Se planeja desbravar essa oportunidade leia nosso texto: “Alerta de negócio: supermercado virtual.

Fatores Internos

Acabamos de falar de fatores que você não tem controle, mas pode (e deve) procurar meios de contorná-los. Agora chegou a hora de identificar pontos que são de total responsabilidade do seu negócio e que, sem a devida atenção e planejamento, é bem provável que esteja cobrando e pagando mais do que deveria no frete para e-commerce.

  • Regiões de atendimento: Uma das vantagens de se ter um e-commerce é vender para o Brasil todo. Mas sabemos que é impossível abraçar um país do tamanho do nosso, então acabamos escolhendo regiões estratégicas como foco. Se os seus anúncios estão direcionados para onde o seu preço não sai tão competitivo, é bom rever a estratégia;
  • Produtos cadastrados de maneira incorreta: A simulação disponível no seu site leva em conta o peso e dimensões que você cadastrou. Se não forem fiéis ao que será enviado, podem acontecer dois problemas:
    • Valor mostrado mais alto que o real: O que resulta na desistência da compra;
    • Valor mostrado menor que o real: Na hora do envio, ao fazer a conferência vai ser detectado e será você quem terá de arcar com a diferença.
  • Escolha da embalagem: Talvez este seja o erro mais comum que encarece o frete para e-commerce. Se a sua caixa for bem maior que o produto, além de um risco maior dele ficar solto e ser danificado, você vai estar pagando (e cobrando) um valor de frete para e-commerce desnecessário.

#DicaOpenK: Além da questão de preço e segurança, as embalagens também têm o poder de conquistar clientes à primeira vista. Para escolher o melhor modelo, conheça o nosso manual da embalagem para o e-commerce.

Soluções para deixar o seu frete para e-commerce mais barato e atrativo

Um caminhão de brinquedo cheio de moedas. Há várias delas em uma pilha, como se estivessem sendo descarregadas.

Agora que você já sabe onde estão os principais gargalos no frete para e-commerce, chegou a hora de pensar em soluções que vão resolver ou minimizar estes problemas.

Como não é do nosso feitio te deixar na mão, vamos listar algumas medidas que podem ser tomadas, acompanhe:

Opções de entrega

Tenha em mente que é impossível trabalhar apenas com uma empresa parceira. Quando falamos de frete para e-commerce você precisa abrir os olhos para todas as oportunidades, principalmente para as transportadoras.

Algumas delas, como a TNT ou a JadLog, fazem entregas para todo o Brasil e concentram seus caminhões em regiões determinadas, o que acaba sendo a melhor opção para um envio específico. Melhor até que os Correios, que fazem entregas em todo o Brasil, mas de forma pulverizada.

Uma boa dica é conhecer o Melhor Envio ou alguma outra plataforma de intermediação logística. Eles possuem um API de integração que faz a cotação entre várias transportadoras e os Correios – muitas vezes com valores mais atrativos que o valor de balcão.

No final, cabe ao cliente escolher entre a mais barata ou a mais rápida, o que, de certa forma, te isenta dessa responsabilidade.

Faça um contrato com os Correios ou transportadoras

Uma outra forma de economizar no seu frete para o e-commerce é fazer um contrato de parceria com os Correios e até com algumas transportadoras. Para utilizá-los você não precisa pagar nada, mas quanto mais encomendas enviar, mais vantagens terá. Funciona como um programa de fidelização mesmo, quanto mais você envia, mais lucro eles terão.

Nos Correios você pode fazer um contrato com a rede por meio do Correios Fácil, que te dará acesso aos benefícios:

  • Tarifas reduzidas: Os descontos saem, em média, em torno de 10 a 12% mais baratos com o contrato;
  • Pagamento mensal: Você envia todos os seus produtos e só no final do mês paga o valor referente ao frete para e-commerce;
  • Logística reversa: Parte dos custos no frete para e-commerce estão na logística reversa, já que será você quem deverá arcar. Pois bem, tendo um contrato eles já cuidam disso para você;
  • Otimização de tempo: Esperar em filas para despachar produtos será coisa do passado. Com o contrato você mesmo imprime a etiqueta e só deixa no balcão.

Mas você ainda pode fazer esse contrato direto com uma agência específica para enviar sempre com eles. Neste caso, o que te sugerimos é procurar uma agência franqueada que possui autonomia de barganha maior.

Geralmente, o que eles oferecem são taxas ainda melhores e a chamada “coleta agendada”: eles vão até o seu estoque e buscam os produtos. Nem o trabalho de ir até a agência você terá!

As informações dos Correios são mais difundidas, então é mais fácil pontuar. Agora, como existem várias transportadoras, fica difícil mostrar as vantagens de ter um contrato com cada uma. Algumas que utilizam esse esquema de contratos são:

  • Total Express;
  • Transfolha;
  • Jadlog;
  • Braspress;
  • Loggi;
  • FedEx.

O que te adiantamos é que elas costumam exigir uma quantidade mínima de envios e que os benefícios se resumem a descontos. Quanto mais utiliza, mais descontos terá.

#DicaOpenK: Temos observado que muita gente está com um certo receio de firmar um contrato com os Correios por conta de não saber bem como a sua privatização pode interferir do frete para e-commerce. Para esclarecer isso, nós criamos um texto respondendo “como a privatização dos Correios pode afetar o e-commerce?”.

Benefícios para compras em grande quantidade

Mesmo cuidando de todos os fatores internos, externos e escolhendo a melhor modalidade de envio, em alguns segmentos o frete para e-commerce ainda vai continuar sendo um empecilho para o cliente.

Se você tem um e-commerce de bijuterias, por exemplo, cada item custa, em média, R$ 35,00. Fazendo uma simulação rápida pelo Melhor Envio, nós identificamos que o frete custaria entre R$ 17,39 e R$ 35,75 indo de São Paulo para Fortaleza.

Simulação de frete pelo site Melhor Envio. O mais barato é dos correios (R$ 18,89) e o mais caro da Latam Cargo (R$ 35,75).

Mesmo escolhendo a opção mais econômica, só o frete seria mais de 50% do valor do produto, resultando em um total de R$ 52,89. Tá aí a explicação porque tantas pessoas abandonam os carrinhos, não é?

Para contornar o problema você pode estipular um valor chave para compra, oferecendo a entrega grátis no seu e-commerce para compras acima de R$ 100,00, por exemplo. Mesmo triplicando o peso da encomenda de 100g para 300g, o valor permanece praticamente inalterado.

O frete ficaria diluído entre os três produtos, então você estaria pagando, na verdade, R$ 17,89/3 = R$ 5,60 por cada frete para e-commerce, mas ao invés de fechar uma venda de R$ 35, ela seria de R$ 105. Ou seja, sua loja pode até deixar de ganhar certa quantia, mas vai estar aumentando o ticket-médio.

#DicaOpenK: Não cobrar pelo envio é a melhor opção de frete para e-commerce para a sua loja? Essa resposta só depende de você e das suas estratégias. Para te ajudar nesta decisão, leia o nosso texto de “Como vender com frete grátis?”.

Parceiros Logísticos

Se mesmo com todas essas medidas o seu frete para e-commerce ainda não estiver competitivo, um caminho pode ser terceirizar o serviço. Diferente do Melhor Envio, em que é você quem faz a cotação, hoje já existem empresas especializadas nesse processo, oferecendo sempre a melhor opção.

Além de trazer mais segurança e uma visão geral da forma como será feita a entrega, desde o despacho da mercadoria até o recebimento, optar pelo serviço dessas empresas também impacta positivamente na redução de custos dos fretes, aumentando a satisfação dos clientes.

Um exemplo de gestão inteligente de fretes é a Intelipost, uma empresa que faz a intermediação de fretes entre os embarcadores e transportadoras. Ela está integrada com mais de 2.000 lojas, 350 transportadoras e faz um cálculo de mais de 300 milhões de fretes ao mês.

A chave do negócio está justamente na quantidade de lojas que atendem. Fazendo um número X de pedidos/dia eles conseguem, muitas vezes, fechar um caminhão inteiro de encomendas para destinos próximos. Dividindo o valor entre todos os produtos, o frete para e-commerce de forma individual fica bem menor.

Soluções ainda mais avançadas: como a OpenK pode te ajudar?

Duas mãos se apertando, como forma de acordo feito. Ambos os braços usam camisa social e, ao fundo, há um escritório.

Até aqui falamos de soluções que qualquer e-commerce pode aplicar e reduzir consideravelmente o valor de envio. Mas aqui na OpenK, além de todas as ferramentas para desenvolver sites e fazer integração com marketplaces, disponibilizamos também alguns módulos que podem ajudar a reduzir os custos e, além disso, diminuir o tempo de envio – outro grande desafio do frete para e-commerces.

Vamos mostrar aqui duas delas:

Integração Logística entre Centros de Distribuição

Já falamos aqui sobre e-commerces terem regiões específicas de atendimento e envio de produtos – geralmente nas regiões mais próximas ao depósito da empresa. Pois bem, o que acha de ter mais de um centro de distribuição? Assim, você terá diferentes áreas de domínio. Quanto mais CDs, maior será a sua competitividade a nível nacional.

Mas veja bem: um Centro de Distribuição não é um simples galpão onde os seus produtos ficam armazenados. A ideia é que ele seja pensado priorizando a agilidade do frete para e-commerce com todas as funções automatizadas. O local onde cada box vai ficar, o processo de embalagem e despacho, a gestão de faturamento… Tudo deve ser projetado para dar mais dinamismo.

Mas como fica o seu e-commerce? Aqui na OpenK nós criamos sites integrados com o seu sistema logístico. Assim, quando o cliente clica em “finalizar pedido” o próprio sistema já analisa qual dos seus CDs possui o produto disponível e, entre eles, qual o seu frete para e-commerce vai sair mais em conta.

#DicaOpenK: Quer descobrir se um centro de distribuição é uma boa estratégia para o seu e-commerce? Neste texto mostramos como eles funcionam e o que é necessário para se ter um.

Escolher áreas de atuação

Vender para o Brasil todo deve ser uma vantagem e não um peso que você precisa carregar com o seu e-commerce. Existem regiões tão distantes da sua sede ou Centro de Distribuição que fica viável enviar as encomendas, mesmo usando todas essas medidas que te mostramos.

Por isso, uma outra solução que muitos dos nossos clientes têm utilizado é determinar áreas de atuação com restrições de envio. Se você tem o e-commerce de bijuterias que falamos aqui, mas o seu negócio fica no extremo Norte do país, pode ser que receber uma encomenda de R$ 105,00 com frete grátis para o Rio Grande do Sul não seja interessante.

Damos a você a possibilidade de não atender a cidades, estados ou regiões com frete grátis, ou, inclusive, não vender de forma alguma. A escolha é sua.

Vender sem estoque

O último passo, e talvez mais transformador em relação ao frete para e-commerce, é a Venda Por Estoque Zero (VEZ). Até aqui falamos exclusivamente dos custos que o seu cliente, ou você – no caso do frete grátis – terá para enviar os seus produtos.

Mas não podemos esquecer também que há o envio do fornecedor até o seu CD, que também gera custos ao seu negócio. No caso de bijuterias, o valor não será tão significativo pelo tamanho geral do produto comprando por lotes. Mas e se você vende televisores de 43’’?

Para estes casos, por exemplo, nós trabalhamos com fornecedores parceiros que te permitem vender sem estoque pelo dropshipping. Veja como ele funciona:

  • Você cria um site para vender os televisores do fabricante, mas eles continuam na fábrica. Por saber exatamente o quanto é cobrado da sua loja, o valor divulgado já tem sua margem de lucro em cima;
  • Quando um pedido é feito, você emite uma NF-e em nome da sua loja, com o valor cobrado (o cliente nem sabe que, na verdade, o produto não está com você);
  • O nosso sistema integra esse pedido com o fabricante. Ele mesmo recebe o pedido trata de enviar em seu nome;
  • No final do ciclo (que geralmente é mensal) o fornecedor envia a relação de produtos que foram enviados e quanto você precisa repassar. O que sobrar é o seu lucro;

Viu como assim você vai ter bem menos custos e também trabalho com o frete para e-commerce? Esta é a maravilha do dropshipping! Mas nas vendas por estoque zero ainda há outra modalidade, o crossdocking.

Para conhecer melhor o dropshipping ou ser apresentado ao crossdocking, temos um texto que vai te interessar: Soluções OpenK: entenda como vender por estoque zero.

Te encontramos lá!

Banner de divulgação da empresa OpenK. Ao fundo, caixas com símbolo de carrinho e o botão: Fale com nosso especialista.


Comentários

Deixa seu Comentário