fbpx

Blog Openk

Provedora de soluções de vendas e gestão

  1. Home
  2. • blog

26/04/2019
Comentários

O Ads&Performance 2019, promovido pela E-commerce Brasil, reuniu em São Paulo, nos dias 26 e 27 de março, os melhores congressistas sobre mídia e performance aplicadas ao e-commerce. Durante o maior evento de comércios eletrônicos do Brasil, foram 48 horas de trocas de experiências, insights valiosos e esclarecimentos sobre a evolução do e-commerce.

A 9°edição reuniu mais de 3 mil participantes nos dois dias de evento. Os temas abordados englobaram assuntos relacionados ao Google Ads, Facebook Ads, Mídias Programáticas, CRO, CRM e várias outras estratégias, técnicas e ferramentas.

Além da troca de experiência, o evento contou com algumas participações que puderam mudar a forma de pensar dos vários profissionais e empreendedores que compareceram às palestras. A maior atração foi a palestrante Ana Helena Szasz Barone, Head da empresa de mensuração e análise de dados dos comércios eletrônicos, Ebit | Nielsen.

Barone trouxe ao palco um histórico relevante da evolução do e-commerce no Brasil, com informações importantes sobre o cenário econômico durante a expansão desse mercado. Ao longo de 20 anos, o Brasil apresentou um importante crescimento no ramo dos e-commerces, que mudou completamente a nossa forma de comprar.

Veja a seguir o panorama da evolução do e-commerce no Brasil, analisado e apresentado por Ana Helena Szasz Barone no Ads&Performance 2019.

Foco em tecla de um teclado preto de computador. Nela, há um desenho de carrinho de compras e uma seta.

A evolução do e-commerce – Ads&Performance 2019

O Brasil dos anos 2000

Segundo Barone, a internet ganhou popularidade no Brasil com as salas de bate-papo. O fato de pertencer a um grupo e fazer contato com outras pessoas atraiu o brasileiro para uma relação muito pessoal com a internet.

Por isso, esse público foi se tornando cada vez mais próximo dos e-commerces. Barone aponta para o fato do brasileiro ter passado cerca de 7 horas mensais na internet, sendo esse um dos maiores motivadores para iniciar as compras online.

O cenário de estabilidade econômica, propiciado pela implementação do Plano Real, foi um fator imprescindível para o crescimento e a evolução do e-commerce do Brasil.

Naquela época, cerca de 74% dos consumidores de e-commerces compravam pela facilidade de receber as compras em casa. Os dados da época também apontavam para os 72% que gostavam de poder comprar a qualquer hora e para os 65% que diziam economizar tempo.

Destaque para o varejo na primeira década

Barone afirmou em sua palestra no Ads&Performance que, na primeira década da evolução do e-commerce, os produtos mais vendidos eram os CD’s, DVD’s e VHS’s (26% das vendas), seguidos pelos livros e revistas (18% ) e, depois, apareciam os eletrônicos (8%).

Ao mesmo tempo, o brasileiro hesitava em relação à qualidade dos produtos e a velocidade na entrega. Dos consumidores online naquela época, cerca de 47% preferiam comprar de lojas que já haviam visitado fisicamente e que conheciam os produtos. 

De acordo com a palestrante, nos primeiros anos de e-commerce no Brasil, o comércio chegou a faturar R$ 500 milhões.

Evolução do e-commerce na segunda década

Em foco, mãos sobre notebook. Uma mão usa o mousepad e outra segura um cartão de crédito.

No  início da segunda década de expansão das vendas online no Brasil, o cenário econômico vislumbrava o sucesso. A Copa do Mundo em 2014 e as Olimpíadas em 2016, além do aumento do uso de celulares para acessar a internet e as redes sociais, fortaleceram ainda mais o consumo através da internet.

Nesse período, os consumidores notaram a diferença dos preços e esse fator começou a ser crucial na decisão final. Foi nessa época que surgiram diversos sites de comparação de preços e os consumidores passaram a ter mais facilidades na hora de optar pelo menor preço.

Foi após 2010 que o marketing digital e as redes sociais começaram a ter relevância no processo de decisão de compra dos internautas – relembra Barone.

Consolidação do long tail

A especialista relembra que, em 2011, aconteceu a mais importante evolução do e-commerce. Comerciantes pequenos conquistaram destaque e relevância entre as lojas online e ganharam força no país, principalmente no ramo de moda e acessórios.

No período em questão, o número de buscas por lojas menores era de 10% e, desde então, vem aumentando.

Um olhar sobre o mercado atual

Mesmo após várias crises no país, 2018 foi o ano da consolidação dos marketplaces. As redes sociais também se consolidaram como o principal meio de captação de clientes, visto que o brasileiro passa, em média, 9 horas diárias conectado à internet.

Ana Barone também apresentou uma novidade da Ebit | Nielsen para 2019: o monitoramento da influência das redes sociais na intenção de compra das pessoas. Segundo ela, durante esses 20 anos de evolução do e-commerce, observamos uma mudança incrível na rota da jornada de consumo do comprador.

O brasileiro prefere a compra de bens não duráveis, como bebidas, cosméticos e alimentos, o que muda completamente o olhar que os profissionais de marketing precisam ter.

Mobile first

Mãos sobre a mesa segurando um smartphone com o Google na tela. Ao redor, teclado, caderno, bússola e caneca com café.

A entrada dos smartphones na rotina das pessoas também ajudou na evolução do e-commerce. Desde 2013, os acessos e as finalizações de compras se tornaram muito maiores graças ao uso dos celulares. De acordo com a palestrante, 4 em cada 10 pedidos são feitos pelo celular em 2019, expressando um aumento de 41% do total dos pedidos em relação ao ano anterior.

Ela também apontou a frequência de buscas por produtos na internet. Enquanto no início dos anos 2000 os sites obtinham mais tráfego aos domingos ou segundas-feiras, hoje os sites recebem visitas diariamente.

Barone ressaltou a importância de otimizar os sites de e-commerce para as experiências mobile.

Descontos e pagamentos

Ana Barone também falou da preferência dos brasileiros na hora de pagar pelas compras. Se no início dos anos 2000 a maioria dos consumidores preferia parcelar as compras em 10 vezes, hoje os consumidores preferem pagar as compras à vista.

Os brasileiros começaram a pesquisar mais sobre as formas de pagamento, dando preferência aos sites que oferecem as melhores condições.

Experiência de usuário que vai além do produto

Barone deu destaque para a exigência do usuário em ter uma boa experiência na compra, por completo. Nos primeiros passos da evolução do e-commerce no Brasil, as lojas possuíam parceiros para realizarem o serviço de frete e, quando algum problema surgia, acabavam colocando a culpa neles.

Hoje, a reputação das lojas é medida por completo, então, as lojas tiveram que se adaptar. Lojas que optam por muitos sistemas de entrega acabam tendo mais problemas. Por isso, o ideal é ter uma boa estratégia para entregar os produtos na casa dos consumidores.

O frete também pode ser usado como um chamariz para novos clientes. Só em 2018, mais de 10 milhões de novos compradores chegaram aos e-commerces, tendo o frete grátis como fator principal desse aumento.

É claro que existem milhares de pontos importantes na evolução do e-commerce e na relação que podemos construir com eles. O importante é sempre lembrar que, com o mercado em constante mudança, as estratégias de marketing e vendas precisam acompanhar essas transformações.

Parte desse trabalho de acompanhar a evolução do mercado é se manter informado sobre as tendências e novos nichos que surgem para suprir as demandas dos consumidores. Continue a leitura e saiba mais sobre essas tendências e como escolher um segmento de e-commerce!


Comentários

Deixa seu Comentário