fbpx

Blog Openk

Provedora de soluções de vendas e gestão

  1. Home
  2. • blog

24/02/2021
Comentários

visão aérea de parte de um galpão de estoque. Nele há um funcionário com capacete laranja carregando uma caixa com um carrinho.

Independente de quão complexa seja a logística da sua empresa, trabalhando com centros de distribuição, galpões ou um almoxarifado que seja, alguns problemas são bem passíveis de acontecer. Ou você nunca sofreu com produtos perto da validade, parados no estoque, ou com lotes inteiros que você nem tem o controle? Bom, é aí que entram os conceitos conhecidos como FIFO e FEFO.

Eles são métodos de gerenciamento de estoque bem simples e com custo zero, que vão exigir de você como tomador de decisões, gerente ou operador nada mais que organização.

Te apresentamos o FIFO

esquema ilustrando como funciona o FIFO, com entrada de novos produtos em uma ponta e os que vão ser retirados em outra.

Direto ao ponto, o “First in, first out” (FIFO) ou “Primeiro a entrar, primeiro a sair” (PEPS) é bem isso mesmo: uma estratégia de organização de estoque em que o primeiro produto que entra no seu estoque também deve ser o primeiro a ser enviado para os clientes.

Na prática…

Considerando que você vende eletrônicos e comprou de seus fornecedores dois carregamentos de notebooks. Um chegou no dia 01 de março e outro só no dia 20. Nesse caso, mesmo que no dia 25 você tenha mercadorias dos dois carregamentos, você só vai começar a vender o segundo lote quando o primeiro acabar.

Este conceito parece bem simples, mas traz diversas vantagens para o seu negócio:

  • Manter o estoque sempre atualizado: pode ser que o primeiro lote tenha a versão “10.1.1” do aparelho, e o segundo tenha a versão “10.1.2”. Geralmente essas mudanças são bem sutis, mas sem organização pode ser que você tenha versões “10.1.1 e 10.1.3” no seu galpão, por exemplo. Nesse caso, consegue ver como é discrepante a diferença?
  • Organização da empresa: cada uma dessas “versões de lotes de produtos” possui um código EAN (ou de barras) distinto. Fica bem mais fácil emitir todas as NF-e, localizar no galpão e expedir o mesmo tipo produto para depois partir para o outro, minimizando erros.
  • Precificação de produtos: muitas vezes o valor que você negociou os lotes não é o mesmo, o que pode indicar prejuízo ou um preço acima do mercado. Trabalhando com cada lote por vez é possível determinar o preço exato de cada lote.

#DicaOpenK: a melhor forma de calcular o preço do seu produto é pela fórmula de mark-up que mostra a sua margem real, descontando todos os custos diretos e indiretos. Te explicamos melhor sobre isso no texto “precificação de produtos na Black Friday: definindo preços sem prejuízo” que apesar do nome, serve para muito além da Black.

Basicamente, quando tiver que decidir entre FIFO e FEFO, você vai escolher o FIFO quando tiver produtos que possuem um giro mediano e não exigem o envio imediato (congelados, não perecíveis ou sem vencimento). Com uma operação sem tanta urgência, dará tempo para definir:

  1. Capacidade máxima: outra vantagem do FIFO é que você evita estoques excedentes. Mas para isso é preciso determinar um limite máximo de mercadoria e produtos na fila.
  2. Respeitar a sequência de lotes: nenhum produto pode “entrar na frente” de outro. Se alguém ficou de fora por qualquer motivo, deve ir para o final da fila.

Essas regras, na verdade, ajudam muito a manter o fluxo de forma mais eficiente e tranquila possível. Se você encontrou alguma dificuldade é porque na batalha entre FIFO e FEFO você, provavelmente, escolheu a errada.

Agora conheça o FEFO

esquema ilustrando FEFO, com entrada de novos produtos em uma ponta e os retirados em ordem de prazo de validade.

Se você trabalha exclusivamente com produtos com um giro bem alto, vida útil ou prazo de validade mais curto (alimentos perecíveis e resfriados, cosméticos, produtos químicos…) nem tem o que pensar sobre FIFO e FEFO – a segunda opção é a mais indicada.

No “first expired, first out” (FEFO) ou PVPS – “Primeiro a vencer, primeiro a sair”, independente da ordem em que os seus produtos chegam no estoque, o primeiro lote a ser enviado para os clientes sempre deve ser aquele que vence primeiro.

Na prática…

Vamos supor que você leu o nosso texto sobre alerta de negócio: supermercado virtual e decidiu abrir o seu. Para não depender apenas de um, você decidiu fechar contrato com dois fornecedores de leite, um regional e outro de outro estado. Considerando o prazo de frete, é bem provável que o leite do seu primeiro fornecedor chegue antes, mas o segundo estará com a data de validade mais próxima. Nesse caso, o segundo terá prioridade.

Com esta diferença sutil na organização do seu estoque entre FIFO e FEFO, observe como você pode beneficiar o seu negócio:

  • Minimizar as perdas: organizando com o método FEFO, é bem mais fácil identificar os produtos que se perdem ou ficam obsoletos;
  • Mensurar as perdas: identificando os produtos que são mais prováveis de perderem a validade, além de tratar de escoá-los logo, no pior dos casos, você vai, ao menos, conseguir calcular os custos dessas perdas para a empresa;
  • Otimização de tempo: com esse tipo de organização encontrar os produtos certos fica mais rápido e fácil;
  • Fortalecer a imagem da sua marca: principalmente com a força das mídias sociais e do Reclame Aqui, você deve imaginar como vender um produto vencido pode prejudicar a sua reputação, por isso o FEFO te ajuda nesse controle.

Além de FIFO e FEFO: conheça o LIFO

Esquema ilustrando como funciona o LIFO em comparação com o FIFO.

FIFO e FEFO são os principais métodos de gerenciamento de estoque, mas há também aqueles que optam trabalhar pelo LIFO: “Last In, First Out”, ou UEPS (Último que Entra é o Primeiro a Sair).

Sinceramente, nós aqui da OpenK achamos este método bem pouco usual. Geralmente, ele é mais voltado para quando o empresário pensa em ter um estoque de “margem de segurança”.

Na prática…

Sempre que o preço do petróleo aumenta, itens derivados como óleos e até plásticos também aumentam. Pensando nisso, você que trabalha com esse tipo de produto compra um lote e deixa armazenado, como garantia para quando o preço estiver nas alturas. Mas enquanto isso, vai vendendo os últimos que chegam.

Outro exemplo bem comum é o de verduras, onde os produtos mais frescos têm um valor maior e são vendidos primeiro.

Concorda que, diferente do FIFO e FEFO, o LIFO não faz muito sentido em nenhum dos casos? Isso porque o produto que você está guardando pode estar sendo desvalorizado ou até defasado enquanto não é consumido. Talvez, esse método funcione em alguns segmentos como peças de automóveis.

Mas então, entre FIFO e FEFO, qual o melhor?

visão aérea de parte de um galpão de estoque. Nele há um funcionário com capacete laranja carregando uma caixa com um carrinho.

Focando o nosso parecer apenas entre FIFO e FEFO, a verdade é que não existe um universal, mas sim o ideal para cada tipo de negócio. O que recomendamos é que você releia esse texto e identifique aquele que funciona melhor para a sua operação.

Inclusive, o que nós vemos muita gente fazendo é criar uma realidade mista entre FIFO e FEFO.

Nesse sistema, primeiro o FEFO é utilizado, selecionando aqueles produtos que vencem primeiro e depois entra em cena o FIFO, em que se prioriza os que foram fabricados mais recentemente. Isso é feito pensando em como os clientes vão escolher os seus produtos: mesmo com a mesma data de validade, escolhem aqueles que foram fabricados mais recentemente.

Implementar o FIFO e FEFO no seu e-commerce vai ajudar muito na dinâmica do seu estoque, mas pode não resolver todos os seus problemas. Para uma estratégia ideal, se faz necessário o uso de algumas ferramentas de gestão.

Vamos continuar essa conversa nesse texto sobre as melhores ferramentas e práticas de gestão de estoque.


Comentários

Deixa seu Comentário