fbpx

Blog Openk

Provedora de soluções de vendas e gestão

  1. Home
  2. • blog

04/06/2018
Comentários

E-commerce depois da greve. Sobre um rio marrom, uma vista de cima mostrando um único caminhão carregado.

A greve dos caminhoneiros foi concluída nessa semana, mas isso não significa que agora tudo irá se normalizar instantaneamente, sem maiores problemas. Muito pelo contrário: essa é a hora de entender a situação do e-commerce depois da greve.

Você muito provavelmente ainda irá encontrar algumas dificuldades na operação do e-commerce depois da greve, especialmente no que diz respeito à prazos de entrega ainda bem longos, reclamações com atrasos das mercadorias que já estão em trânsito, uma diminuição do seu fluxo de vendas, dentre outros.

Nesse momento, o importante é começar a traçar planos para segurar a parte mais difícil da greve: navegar por suas repercussões. Neste artigo vamos falar um pouco mais sobre o e-commerce depois da greve e dar algumas dicas para te ajudar a se manter por cima das questões que irão surgir. Podemos começar?

 

O que pode acontecer com o e-commerce depois da greve?

“É muito difícil que a parte logística esteja normalizada em menos de 10 dias, é uma bola de neve” – Edu Neves, Reclame Aqui.

O Ebit já ressaltou que o comércio eletrônico teve seu crescimento bem afetado pela greve de caminhoneiros. A expectativa era de que o setor fosse crescer cerca de 20%, mas a expectativa foi reduzida para 13,3%. Fora do cenário de conjecturas, a prática se mostra também digna de atenção.

 

 

Edu Neves, diretor executivo do Reclame Aqui, disse recentemente à Reuters que a situação só deve realmente se normalizar dentro de 60 dias ou mais. Segundo ele, o tempo para que as entregas que estavam em trânsito cheguem e para que o setor de logística dos e-commerces depois da greve se normalize vai muito além de 10 ou 15 dias.

Processos influenciam em outros processos, é necessário entender como está a demanda dos correios, os preços das transportadoras – que vão invariavelmente subir -, a disponibilidade de destinos e o risco de novas paralisações. Tudo isso traz um grande impacto no e-commerce depois da greve.

 

Dia dos namorados

A ABComm – Associação Brasileira do Comércio Eletrônico – destacou que é muito provável que aumentos no custo logístico já estejam sendo sentidos no e-commerce. A demanda das transportadoras e dos correios está muito mais voltada para entender o que está parado e como movimentar essas entregas.

Isso terá um claro impacto no dia dos namorados, que já está chegando. Essa é uma data sensível, já que atrasos trazem problemas para as pessoas que precisam presentear. Você precisa, então, oferecer segurança para o seu cliente e ser transparente o máximo possível.

E falando nisso…

 

Cuidados para se ter com o e-commerce depois da greve

Você precisa levar algumas coisas em consideração ao lidar com o seu e-commerce depois da greve dos caminhoneiros, tanto em relacionamento com os clientes quanto em relação à aspectos mais práticos e pontuais.

“O consumidor está com receio de comprar no comércio eletrônico porque uma situação como essa gera incerteza sobre a entrega do produto” – André Dias, Diretor Executivo Ebit.

Separamos alguns neste tópico. Confira:

 

O mais rápido possível

O importante é que você resolva suas questões de logística o mais rápido possível. Por enquanto, os clientes ainda estão aceitando atrasos por conta das greves, mas fica cada vez mais difícil usar essa justificativa enquanto o tempo passa.

Não estamos falando que ela não é justificável, muito pelo contrário. Na verdade, como nós apontamos logo acima, a normalização da logística realmente leva tempo. O problema é que os clientes não vão aceitar isso por muito tempo.

Para lidar com isso, dê atenção especial à logística e tente entender o que vai acontecer com as suas mercadorias. É sempre bom ter um plano B, mas nesse caso, seria interessante se você tivesse mais algumas letras do alfabeto para te ajudar.

 

Vença a incerteza

A incerteza em comprar no e-commerce vem sendo um grande problema depois da greve. André Dias, da Ebit, recentemente comentou em entrevista que esse cenário é completamente natural e esperado, já que muitas pessoas estão deixando de comprar por medo de perder a mercadoria.

 

E-Commerce depois da greve. Um caminhão vermelho viaja sozinho em uma estrada vazia. Ao fundo, tempo nublado.

 

Esse tipo de receio é completamente natural, mas você precisa combatê-lo. “O consumidor está com receio de comprar no comércio eletrônico porque uma situação como essa gera incerteza sobre a entrega do produto”. Combata a incerteza com a certeza! Mas como?

Resolvendo a questão do trânsito de mercadorias o mais rápido possível. Entenda todas as formas de envio, ofereça frete grátis, trabalhe com envios expressos, se possível, e tente ao máximo entregar. Se não der…

 

Converse com o seu cliente

No nosso último artigo, nós ressaltamos a extrema importância de conversar com o seu cliente para mostrar quais foram os efeitos da greve dos caminhoneiros no seu negócio. Essa necessidade ainda se mostra presente mesmo com o fim da paralisação.

Os atrasos não vão deixar de acontecer. Muita gente não está conseguindo nem mesmo enviar todos os seus produtos pelo correio, muito menos garantir que os poucos que foram vão chegar a tempo.

Portanto, o ideal é conversar com o seu cliente, enviando e-mails explicando a sua situação, engajando os clientes nas redes sociais e oferecendo algo em troca da paciência deles. Neste artigo da nossa agência parceira, a Cubo Amarelo, você consegue encontrar um modelo de formulário para seguir na interação com seus clientes.

 

A situação estava complicada com a paralisação, mas é muito importante que você busque resolver a situação do seu e-commerce depois da greve o mais rápido possível. Assim, você garante uma experiência de compra incrível para o seu cliente e ainda consegue operar com maior tranquilidade.

A OpenK é especialista no desenvolvimento e manutenção de e-commerces, e no nosso blog você sempre encontra artigos como esses. Que tal continuarmos essa conversa no próximo artigo?


Comentários

Deixa seu Comentário