Blog Openk

Provedora de soluções de vendas e gestão

  1. Home
  2. • blog

29/03/2019
Comentários

Se você está buscando meios de abrir o seu e-commerce, para vender produtos de qualidade, você veio ao lugar certo. Aqui, vamos te mostrar como é possível vender produtos excelentes, obtendo lucros que podem chegar em até 600%, sem precisar ter o produto em estoque. Importar da China pode ser um bom negócio, tanto para você, quanto para os seus clientes.

A ascensão da economia chinesa nos últimos anos fez com que sua indústria pudesse oferecer mercadorias baratas e de alta qualidade ao mercado mundial. No Brasil, a ideia de importar da China não é novidade, com produtos chineses invadindo nosso mercado há décadas. Na verdade, a importação de produtos chineses para vendas em e-commerce é que ainda é pouco explorada pelas empresas brasileiras.

Importar da China, muitas vezes, pode significar adquirir produtos realmente cobiçados pelos brasileiros e que não são encontrados facilmente no Brasil, das melhores marcas e com preços muito abaixo dos praticados por aqui.

Com a estratégia correta e algumas dicas, é possível fazer verdadeiras fortunas com os produtos importados da China. Vamos saber mais sobre o comércio China X Brasil e como ele realmente funciona?

Desenho de pequenas caixas sobre teclado de notebook, representando a ideia de importar da China para vender em e-commerces

Importar da China: como funciona?

É muito comum nos depararmos com anúncios constantes de sites como Wish e AliExpress, nos oferecendo produtos chineses dos mais variados. De fato, as grandes importadoras fazem sucesso, mas os preços acabam não valendo a pena para os comerciantes.

Importar produtos diretamente de fornecedores, no modelo dropshipping, por exemplo, não requer muita documentação e nem sequer passa por muita burocracia. Se você pode fazer a importação como pessoa  jurídica, dificilmente terá problemas na alfândega até para valores mais altos.

Importar da China para vender em e-commerce, apesar de fácil, requer muita atenção e um relacionamento de confiança. O ideal é que você conheça os produtos do fornecedor, antes de fechar uma parceria de importação.

Como importar da China para revender no e-commerce?

Mãos usando um tablet e um notebook (ao fundo) em cima de uma mesa de madeira.

O primeiro passo para começar a importar da China é conhecer os fornecedores. Para isso, você pode acessar sites como o DealeXtreme, que possuem fornecedores variados, com os melhores preços e suporte ao cliente.

Um ponto positivo para o DX é que eles já oferecem uma proposta de dropshipping para o Brasil, com rastreio de envio e frete totalmente grátis. Você pode encontrar informações sobre como adquirir esse serviço na página de ajuda do site.

Existem alguns outros sites para importar da China, mas a maioria são planejados para vendas diretamente para o cliente final, não possuindo tanto suporte para as lojas estrangeiras. São principalmente B2C, e você está procurando por B2B. Lojas como o AliExpress e o Alibaba acabam pecando no quesito confiança, pois não oferecem um suporte eficiente e nem garantias de qualidade do produto.

A segunda opção é encontrar fornecedores diretos da China para importar os produtos. Desta forma, será necessário checar bem as referências e, se possível, atestar a qualidade do produto, encomendando cada um antes de colocá-los à venda em seu site.

Nesta opção, as lojas pequenas podem encontrar alguma dificuldade para fechar negócio, já que a maioria dos fornecedores preferem vendas em larga escala e muitos não aceitam o dropshipping.

Quais as taxas cobradas para importar da China? Vale a pena pagar?

Galpão da alfândega brasileira, com um funcionário da Receita Federal de costas verificando caixas de mercadorias.

Um dos maiores medos de quem quer importar da China, são as taxas alfandegárias. Será que vale a pena pagar? O lucro não será “engolido” pelas taxas?

Nesse ponto, importar da China tem suas vantagens. Os produtos chineses raramente encontram barreiras na alfândega brasileira e, se encontram, as taxas não costumam ser altas, como nos casos de importações feitas dos Estados Unidos ou Europa, por exemplo.

O requisito básico para que o produto seja isento de taxas é ser enviado para uma pessoa física – que pode ser o dono da loja ou o cliente final – e o valor não pode ultrapassar US$50,00 (dólares), ou seja, aproximadamente R$195,00.

Já se a importação for feita por uma pessoa jurídica – pelo CNPJ da loja – ou se a compra de pessoa física ultrapassar US$50,00, o comprador ou lojista, pagará algumas taxas alfandegárias que, muitas vezes, podem ser revistas.

Os valores cobrados para produtos importados são:

  • Imposto por Importação (IPI) – os valores podem variar em até 60% do valor do produto;
  • Imposto sobre circulação de mercadorias e serviços (ICMS) – calculado com base em até 4% do valor do produto;
  • Tarifa de desembaraço – taxa cobrada pela alfândega para autorizar a entrada da mercadoria no território nacional.

Esses cálculos básicos são feitos para compras de até US$500,00 por mês. Valores acima disso, praticados pela mesma pessoa ou CNPJ, podem sofrer alterações.

O desembaraço alfandegário em compras acima de US$ 500,00 dólares é realizado, em muitos casos, por um despachante aduaneiro especializado na equipe do e-commerce fazendo a compra. Também é possível contratar o serviço dos Correios, o Importa Fácil, que agiliza o processo e oferece taxas mais razoáveis para compras de até US$ 3000,00.

Por ser mais barato, importar da China acaba sendo bem mais vantajoso do que comprar o produto por aqui ou comprar em outros países. Alguns fornecedores fazem acordos de envio para que as mercadorias possam ter reduções nas taxas alfandegárias, possibilitando que os vendedores brasileiros ofereçam seus produtos mais baratos. A negociação pode ser feita diretamente com cada um deles.

É melhor mesmo com o imposto

Muita gente teme a importação da China por causa do IPI de 60% do valor do produto. Mas pense bem: dependendo do produto, a taxação de 60% ainda te deixa em uma posição muito vantajosa, pois não encarece o produto tanto assim.

Dependendo de onde a compra é realizada no Brasil, o preço da indústria consegue ser maior do que o de importar da China mesmo com o IPI. Não vale a pena querer tentar “burlar” a alfândega com múltiplos pacotes em vários CPFs e CNPJs: o melhor é achar as melhores condições de preço e frete e arcar com essa despesa.

E isso vale até para compras de e-commerces maiores ou que vendem produtos naturalmente mais caros. Quando as compras ultrapassam os US$ 3000,00, o Importa Fácil dos Correios não vai mais te ajudar, e será necessário ter conhecimento aduaneiro ou pelo menos contratar um despachante especializado.

Na nossa experiência na OpenK com e-commerces que fazem esse tipo de importação, até esses custos justificam a compra principalmente por preço e frete. Trabalhamos com negociantes de operações grandes, revendendo até peças de mobiliário, que garantem: só param de importar da China para abrir uma indústria própria brasileira.

Se você está começando um e-commerce, essas informações de taxação e de pedido mensal são importantes caso você esteja planejando importar da China. Com isso em mente, você pode escolher segmentos com produtos menores e mais baratos por exemplo, e lucrar mais com suas importações em grande quantidade.

O próximo artigo fala justamente disso. Vamos seguir na conversa?


Comentários

Deixa seu Comentário